Quando eu comecei a trabalhar com mentorias de LinkedIn e marketing pessoal para C-Level eu não fazia ideia de onde eu queria chegar. Minha única certeza era de que profissionais poderiam alcançar mais reconhecimento profissional e negócios, se usassem essa rede social profissional de forma mais estratégica.

O ano era 2017. Depois de quase 2 anos empreendendo eu estava praticamente quebrada, morando com marido e filhos pequenos em outro estado, longe da minha rede de apoio familiar, e me vi em uma encruzilhada: ajustava a rota significativamente, ou desistia de empreender naquele formato.

Algo não estava dando certo, e doeu muito quando essa ficha caiu. Mas eu não sabia o porquê. Sou grata ao marido pelo apoio e clareza nesses momentos.

Tive vontade (e ideias) de começar uma startup de comunicação do zero. Não foi para frente. Seguia criando conteúdo para alguns clientes, para meu blog e meu LinkedIn, mas de forma nada consistente.

Eu estava sem um manifesto, sem um propósito claro de estar fazendo tudo aquilo.

Foram dezenas de cursos e mais cursos de marketing, vendas, social selling e uma formação na PUC Rio sobre gestão de inovação, que particularmente me abriu os olhos para um novo universo.

Descobri o quanto eu gosto (amo!) uma inovação. Mas não apenas como uma disciplina. Eu já gostava e praticava inovação na minha carreira, só que eu nem sabia o nome disso que eu fazia.

Conto para meus clientes que faço transição de carreira desde o último ano da faculdade (2003) e sigo me reinventado sempre que percebo o cruzamento de paixão, talento, propósito, a necessidade de um grupo de pessoas/empresas, que enxergam valor nisso.

Clareza tem poder. Cuidado com o que você deseja de verdade

Em meados de 2017 conheci o Ricardo Jordão por indicação de um grande amigo e já professor de marketing digital. Mesmo com todo seu estilo direto, sem rodeios peculiar, eu aprendia demais com os vídeos dele no YouTube, então pensei comigo “Se aprendo tanto com os vídeos gratuitos (eu devorava todos), o curso dele deve ser mais incrível ainda. Um dia vou fazer!”

O tempo passou e a necessidade de tomar uma decisão apertou no início de 2018. Era março quando tomei a decisão de que queria MESMO fazer a imersão dele em São Paulo. Na mesma semana vi que ele havia aberto inscrições para o Rainmarker presencial.

Uma semana inteira de imersão em técnicas e práticas de vendas B2B, principalmente. Mas o valor do investimento para participar, na época dessa imersão, era improvável que eu conseguisse ir, pela situação em que eu estava – e ainda por morar no Rio, e ter toda a responsabilidade dos filhos e casa comigo, naquele ano.

Mas para a minha surpresa, ele abriu algumas vagas gratuitas (achei incrível e inesperado!!) e pediu para os interessados se inscreverem e revelarem PORQUE precisavam tanto daquela vaga e contássemos um pouco da nossa história profissional.

Eu fiz isso. Na mesma hora escrevi contando detalhes a ele.

Eu queria MESMO participar. Não entendo bem como, mas eu SABIA que eu faria aquela imersão. Eu estava convicta, algo relativamente incomum para a minha personalidade da época.

Tive tanta certeza de que minha história empreendedora, meus mais de 10 anos de experiência em comunicação, mãe de dois, morando longe da minha rede de apoio e sem condições de bancar babá tempo suficiente para me dedicar à minha jornada, iria me qualificar para uma das vagas.

Dois ou três dias depois recebi a resposta dele diretamente no meu Messenger do Facebook.

Eu quase não acreditei. Estava entre as inscritas.

Mas deu tudo muito certo.

Minha sogra veio com meu sogro passar uma semana assumindo minha casa e meus filhos enquanto meu marido viajava, para eu poder me dedicar à aquela imersão transformadora em vendas e negócios do Jordão.

Depois daquele treinamento minha visão de vendas nunca mais foi a mesma. Foram 6 dias muito intensos. Fiz a primeira live da minha vida (no Facebook) lá, durante a imersão. Está publicada no meu perfil até hoje.

O principal aprendizado

Eu entendi que vender é um ato de ajuda sincera, de amor mesmo. Quem vende quer genuinamente ajudar, e servir. Aprendi também a entender o que de fato o outro sente, e precisa ou deseja alcançar, afinal, apenas depois desse entendimento é possível oferecer algo que faça sentido para uma pessoa ou empresa.

E, com meus talentos, eu consigo ajudar em muitas frentes, mas não em todas.

A qualificação do cliente ideal passa por aí. Nunca é empurrar algo goela abaixo.

Sempre fui contra tudo isso.

Sempre abominei essa história de que vender tem sempre algo de “malandragem” ou ter que falar tanto e somente sobre si mesma(o).

“Ah mas todo vendedor fala muito, e você é mais calada. Não tem perfil…” – escutei isso algumas vezes, e depois de alguma vivência e km rodado na área, entendi que essa é uma cultura ultrapassada, e a postura do vendedor das antigas, e não do profissional moderno de vendas, que cultiva relacionamento, e que deseja fortalecer parcerias – o meu caso.

E eu sempre me considerei uma ótima ouvinte. Sempre me falaram isso, inclusive.

Escuta ativa, que busca entender de verdade o outro. E aí trazer soluções. Esse sempre foi um dos meus pontos fortes. “preciso destacar mais isso no meu perfil”, pensei.

É o que venho fazendo desde 2018, com muita paixão, e seguindo firme mesmo com altos e baixos, e me reinventando a cada necessidade, inclusive na pandemia do Covid-19, que pegou todos do planeta de surpresa no início de 2020.

Foi nessa turbulência toda que, com filhos e marido em casa, e sem a minha funcionária ao meu lado todos os dias, transformei meus workshops in company e abertos, que eram presenciais, em “aulões” e mentorias online, dando continuidade ao negócio e me fazendo alcançar um faturamento de 5 dígitos nunca antes atingido na minha vida de empreendedora.

Utilizando o LinkedIn de maneira estratégica

Por isso quero te ajudar nesse processo de desvendar o LinkedIn. Quero te ajudar a ir para o próximo nível.

Todos somos uma marca – queira você ou não. Quanto antes você se posicionar sobre isso, mais cedo irá colher os frutos, que eu garanto, podem te levar a outro patamar profissional, como eu fiz com a minha própria carreira e negócio.

Respeite seu tempo, mas aja.

Vamos bater um papo sobre isso?

 Vivian Lopes é jornalista, entusiasta de inovação e desde 2015 estuda o LinkedIn como ferramenta de marketing pessoal. Trabalha como relações públicas, e produtora de conteúdo há mais de 15 anos. Te ajudo a usar o LinkedIn de forma estratégica como sua melhor vitrine profissional por meio de mentorias. Ministro workshops e treinamentos corporativos para melhor uso dessa rede a favor dos negócios. Fundadora da V.Content, mãe da Gabi e do Henrique.